Como escolher uma candidata?

Você pode ver as entrevistas selecionando: o cargo, o partido, a orientação política ou os temas que mais te interessam.
Ao encontrar uma candidata que te represente, você pode compartilhar a entrevista dela, para que outras eleitoras a conheçam.
Também recomendamos que entre em contato com a equipe da candidata, para debater mais sobre as propostas e formas de apoiá-la.

Por que apoiar uma candidata?

Na última eleição 464 mulheres se candidataram para ser deputada federal por São Paulo, contra 1.021 homens, entre elas, 114 foram consideradas “inaptas” e sequer concorreram. Ou seja, 1 em cada 4 candidatas não participou da eleição.

Para cada uma das 70 vagas do congresso, 5 mulheres concorriam com 13 homens.

Entre os 20 deputados federais mais votados em SP, apenas 2 são mulheres, Bruna Dias Furlan e Luiza Erundina, ambas conseguiram 0,84% dos votos válidos, 178 mil e 177 mil respectivamente. Isso representa metade dos votos conquistados pelo quarto deputado mais votado, Bruno Covas, atual prefeito da cidade.

O número de mulheres que entraram por mérito, conquistando votos, é o mesmo de deputados federais que foram beneficiados pela média partidária, seis, todos homens.

Para deputada estadual foram 654 candidatas contra 1.473 candidatos. Entre 18 e 29 anos as mulheres foram maioria, 65 contra 53, porém, a partir dos 30 anos a desigualdade é gritante e, em algumas faixa etárias, como 35 a 39 anos há quase o triplo de homens.

Entre as 654 candidatas, 151 foram consideradas inaptas e não concorreram. Ou seja, 23% das candidatas não puderam participar da eleição, entre os homens, esse índice é de apenas 13%.

Para cada uma das 94 vagas, cinco candidatas concorreram contra 14 candidatos.